• R. Adelaide Zangrande, 141
  • Jardinópolis, SP - Brasil

SP teve 28 vezes mais casos de dengue em 2019; veja cuidados para evitar 'doenças de verão'

Os casos de dengue cresceram 2.700% na cidade de São Paulo no ano de 2019, ou seja, 28 vezes, segundo a Secretaria Municipal da Saúde. Foram 16.815 casos, que deixaram três vítimas fatais, contra menos de 600 verificados em 2018, quando não foram registradas mortes.

O combate a essa doença é feito principalmente pela eliminação de focos do mosquito Aedes aegypti. Na Bela Vista, a reportagem localizou nesta segunda-feira (6) um terreno abandonado cheio de focos de água parada, que servem de criadouro para o mosquito. O entulho está a poucos metros de uma praça com um playground onde dezenas de crianças brincam todos os dias.

No verão, com os dias mais quentes, aumenta a incidência de dengue e também de outras doenças como virose, insolação e diarreia. Veja as situações mais comuns e os cuidados indicados por médicos para evitá-las.

Doenças de verão
No verão, com os dias mais quentes, aumenta a vontade de correr para a piscina e para a praia. Mas não dá para descuidar de algumas doenças que ficam mais frequentes nessa época do ano, como dengue, zika, virose e insolação.

"É importante a questão da insolação, a questão de queimaduras solares, são coisas muito comuns nessa época do ano, principalmente em crianças que estão em praias", explica o pediatra Antônio Carlos Madeira de Arruda.

"Tem que lembrar da necessidade fundamental de um protetor solar, e lembrar da necessidade de evitar horários de pico, quando as temperaturas ficam mais altas e mais prejudiciais à pele", diz o médico.

Outra doença que aumenta no verão é a virose, que pode ter relação com o consumo de alimentos contaminados. Foi o que aconteceu com o Pablo D'Alessandro, de 11 anos, que começou a se sentir mais fraco no sábado (4) e foi parar no hospital.

"Começou a doer minha barriga, só que até então, eu tava normal, passava e acabou. Mas hoje eu comecei a vomitar, daí deu tudo errado", diz Pablo.

"Essa noite a gente ficou sem dormir. Por volta das 4h da manhã, eu vi que ele tava piorando mesmo. Foi quando eu sai com ele e vim direto pra cá", explica Juliana Leone, mãe do Pablo.

O médico responsável solicitou um raio-x abdominal e receitou soro para que Pablo não desidrate. Essa é a principal recomendação para as crianças, segundo os especialistas. A combinação de calor, férias e viagens expõe a saúde dos pequenos, que precisam tomar água para manter a hidratação em tempos de temperaturas elevadas.

Recomendações médicas
Segundo a infectologista Maria Beatriz Gandra de Souza Dias, as viroses muitas vezes estão ligadas à contaminação de alimentos frescos, que aumenta no calor.

"Nas férias as pessoas acabam comendo em locais que elas não conhecem, porque estão viajando, e os alimentos podem estar contaminados, porque a conservação é mais difícil no calor", explica a médica.

Crianças e idosos, que têm o sistema imunológico menos desenvolvido, podem ser alvos mais fáceis das viroses. Por isso, é importante que eles cuidem não apenas da qualidade dos alimentos consumidos, mas também que mantenham a hidratação em dia.

"As crianças e idosos às vezes bebem menos água porque não percebem que estão com sede. Por isso é tão importante essa recomendação", afirma Maria Beatriz.

Fonte: https://g1.globo.com/